23.2.11

TIMIDEZ




O bicho-de-conta
Faz de conta, faz
Que é cabeça tonta


Mas lá bem no fundo
Não é mau rapaz.


Se a gente lhe toca,
Logo se disfarça:
Veste-se de bola.


Por mais que se faça
Não se desenrola.


Lá dentro escondendo
Patinhas e rosto
É todo um segredo:


Se eu fosse menino
Comigo brincava
Sem medo sem medo.



Maria Alberta Menéres, Conversas com Versos

2 comentários:

Bípede Falante disse...

Maldita a hora em que cresci!!

cduxa disse...

Bípede:

Muitos de nós só crescemos por fora. Por dentro continuamos a saborer as histórias de ninar.